NOSSO SAUDOSO FUTSAL

  • Pierre
  • 23/jul/2014
  • 2 Comentários

Há um bom tempo estou querendo falar sobre o esporte que me projetou, o Futsal. A análise sobre ele deve ser minuciosa, o que convenhamos, talvez eu não consiga fazer em poucas linhas, mas vou tentar sintetizar o que penso.

A verdade é que o Futsal, que já chegou a ser o esporte número 1 de nosso estado, está longe dos seus tempos áureos. Nos idos de 1982 tivemos o primeiro título de expressão nacional com a Seleção Capixaba juvenil, no campeonato brasileiro de seleções realizado em Orós, no Ceará. Craques como Lucas, Paolo, Gabiru, Adail e Cadinho faziam parte daquela seleção. Em 1991, conquistamos o título de maior expressão do nosso Futsal e, até hoje, o único título brasileiro de clubes vencido por um clube capixaba nacionalmente, o título brasileiro juvenil, com a equipe do Saldanha da Gama, vencendo a final contra a poderosíssima General Motors que contava, à época, com vários jogadores da Seleção Brasileira. No Saldanha, este que vos escreve e os craques Dedão, Rochinha, Silvinho, Raphael, Klebinho e Pandino faziam parte daquele time vitorioso.

De lá pra cá, o que se viu foram os clubes deixando de exercer o seu principal papel: a formação de novos talentos. Os grandes clubes como Álvares, Saldanha, Ítalo Brasileiro e Náutico Brasil praticamente abandonaram suas escolinhas. Olheiros como Sr. Orlando (Baianinho), do Álvares, e Sr. Arlindo, do Saldanha, foram aos poucos saindo de cena, por questões políticas dos clubes e, com isso, os jovens talentos foram rareando. Ao mesmo tempo, os bairros evoluíram em as suas estruturas físicas com a implantação de praças esportivas, grandes escolas e até com pequenos clubes. Isso fez com que os pais, que sempre eram incentivados a levar seus filhos para serem vistos pelos olheiros, acabassem, por questões de segurança e comodidade, deixando seus filhos jogarem em seus próprios bairros. Ora, se não há mais olheiros e a criança não irá ser observada para evoluir e disputar competições federadas, realmente não há sentido em levá-la para os clubes. É melhor ficar nos bairros mesmo!

Por outro lado, a federação de Futsal viveu uma época conturbada com gestões equivocadas no final dos anos 90 e início dos anos 2000. Chegamos ao ponto de ficar de fora do campeonato brasileiro de seleções, tomando uma punição de dois anos, pela simples falta de revalidação dos atletas junto à Confederação Brasileira. Traduzindo, perdemos o prazo por não enviar as carteirinhas dos atletas pelos correios. Lastimável!

Tudo isso, além da falta de intercâmbio de jogos, o que era um ponto de grande destaque do nosso Futsal, pois disputávamos amistosos de preparação em vários estados, levou o nosso Futsal a um atraso de 10 anos em relação aos grandes centros do país, principalmente na região sul.

De uns tempos pra cá, eu tenho visto uma mudança de atitude considerável na postura de clubes, dirigentes e atletas. Está havendo um movimento de engajamento para resgatar o nosso Futsal. A Federação vem sendo conduzida de forma muito competente pelo árbitro, que em poucos dias já será ex-árbitro, Arnaud Cordeiro. Ele tem feito um ótimo trabalho na Federação que hoje esbarra na falta de verbas para a implementação de novos projetos. Mesmo assim, Arnaud tem dado sangue novo à Federação e ao Esporte.

Projetos vitoriosos como o Jardim Limoeiro, Racing, Vila Velha Futsal, Rio Branco Futsal e Bombeiros devem ser reverenciados. A união dos amantes do esporte da bola pesada, que tantos craques já revelou, inclusive para o futebol de campo, é a única solução para este momento. É preciso também que a mídia em geral volte a enxergar o Futsal como um bom produto e dê mais visibilidade ao esporte.

Eu, pessoalmente, me coloco à disposição do que for preciso para ajudar o Futsal. Talvez eu não consiga mais jogar, até porque o corpo acusa o cansaço de vários anos e várias contusões (Rsrsrs!), mas me disponho a fazer a minha parte fora das quadras. Ao Futsal, tudo!

Publicidade

2 COMENTÁRIOS

  • João Carlos Nunes Ramos - 26 de julho de 2014 às 16:43

    Uma analise apropriada e concisa sobre o cenário do futsal no Espírito Santo. Certamente a modalidade já está renascendo com o bom trabalho desenvolvido por alguns clubes e pessoas compromissadas com o fortalecimento do esporte no Estado. Pierre, como grande nome da modalidade, sua contribuição será de fundamental importância.

  • Alesandro Lima - 14 de dezembro de 2015 às 11:18

    Muito bom ler sobre o FUTSAL CAPIXABA ,,, saudades dos bons tempos de ATLETICO DE VILA VELHA . Tive a oportunIdade de jogar com PANDINO , ROCHINHA , SILVINHO E OUTROS..
    DO NOSSO SAUDOSO ATLETICO ;
    GALVAO , RODRIGO NERY , PAULISTA , ANDRE , PIG ENTRE OUTROS AMIGOS QUE ALI FIZ …
    TREINADORES : FABIO FROES E LOGO DEPOIS MARCÃO ….
    NOSSO PRESIDENTE CAVATI O CLUBE ERA NOSSA SEGUNDA CASA …

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO