10 coisas que os amantes do vinho deveriam saber sobre o Petrus, o Rei do Pomerol!

  • Luiz Cola
  • 25/jul/2013
  • 13 Comentários

Que o Petrus, o grande vinho tinto do Pomerol, é um dos vinhos mais conhecidos, mais caros e “menos” bebidos do mundo, todo mundo sabe. Porém, existem alguns aspectos corriqueiros e interessantes sobre ele que causam bastante confusão e surpresa nas pessoas. Veja quais são:
1º – Não há châteaux, nem segundo vinho e, às vezes, nem Petrus

Muitos visitantes que passeiam pela região de Bordeaux pedem para visitar o “Château Petrus”, mas eles não irão encontrá-lo. Até pouco mais de dez anos atrás, havia uma casa simples na propriedade, mas que já foi demolida. Atualmente, há uma nova construção que identifica o vinhedo, mas nada que se assemelhe a um “château” de verdade. Enófilos que também estiverem procurando um “segundo vinho”, mais acessível ao bolso para experimentar, também pode esquecer. Qualquer cacho que uvas que seja suficientemente bom para fazer o Petrus, é vendido como um simples vinho à granel. Se a safra inteira não tiver qualidade, simplesmente não haverá Petrus naquele ano. A última vez em que isso aconteceu, foi na terrível safra de 1991. 
2º – O “botão” Petrus

Qualquer discussão sobre o Petrus invariavelmente vai incluir uma menção ao chamado “botão” (tradução ao pé da letra do termo inglês “button”), ou seja, a alta concentração de argila “azul”, no qual 11,5 hectares de vinhas da propriedade estão plantadas. 
“O solo de argila azul tem 40 milhões de anos de idade”, explica o enólogo do Petrus, Olivier Berrouet. “Na superfície, essa argila é mais escura devido ao material orgânico presente. Na camada inferior, está a argila azul, que contém uma grande quantidade de ferro em sua composição. O “botão”, onde as vinhas estão, é justamente o afloramento deste solo especial, no ponto mais alto do Pomerol, 40 metros acima do nível do mar.”, concluiu ele.
3º – A pureza de um Borgonha

O Petrus, cuja produção média é de apenas 30 mil garrafas a cada safra, é descrito como um Bordeaux de alta qualidade e baixo volume de produção, que tipifica a noção de terroir mais do que qualquer outro vinho da região, algo tão caro à Borgonha. Como os vinhos de Bordeaux são essencialmente blends e o Petrus é quase sempre 100% feito com Merlot (algumas poucas safras pode conter um pouco de Cabernet Franc, não mais que 5%), ele oferece aquela mesma pureza característica da Borgonha, onde uma casta específica está ligada diretamente a um determinado terroir. O vinho é apenas a tradução líquida dessa união. 
4º – A demanda doméstica

Ao contrário da maioria dos outros vinhos de Bordeaux na mesma faixa de preço, o grande mercado do Petrus ainda é significativamente doméstico. Cerca de 35 a 40% de sua produção é vendida na própria França, mesmo com o acentuado declínio no consumo local, que tem impulsionado outros produtores para os mercados de exportação, especialmente da Ásia. Os principais mercados de exportação para o Petrus são os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Bélgica e Hong Kong.
5º – O momento da virada

O enólogo Berrouet diz que um dos momentos-chave para o Petrus foi a crise da filoxera que atingiu toda Bordeaux no final do século 19, dizimando suas vinhas. Como resultado, a propriedade foi totalmente replantada com a casta Merlot. Segundo ele, “Por que exatamente eles decidiram replantar com Merlot não se sabe ao certo. O que está muito claro é que foi uma decisão excelente para o vinho.”
6º – Um vinho para os “Kennedys”

Apesar do fato de que o principal mercado do Pétrus é doméstico na atualidade, sua reputação foi construída no exterior. “Antes da Segunda Guerra Mundial, o Petrus começava a ganhar sua boa reputação, mas foi somente após ele que as coisas realmente decolaram”, lembra Berrouet. “Madame Edmond Loubat, proprietária da época, tinha grande confiança na qualidade de seus vinhos, mas foi o comerciante local Jean-Pierre Moueix, que acabou assumindo o controle da propriedade, que percebeu como seria importante a distribuição do vinho no mercado externo.
“Na França daquela época, um ‘grand vin rouge‘ era sinônimo de Médoc”, lembra Berrouet. “As pessoas não sabiam muito sobre a margem direita de Bordeaux. Assim, Jean-Pierre, em vez de tentar vender a margem direita como uma espécie de segunda divisão de Bordeaux, decidiu ir diretamente ao exterior, onde construiu um mercado muito bem sucedido, especialmente no Reino Unido e nos EUA, para o Petrus.” Nas décadas de 1950 e 1960, ele caiu nas graças dos Kennedys, fonte de referência para toda a América, ajudando a consolidar ainda mais sua fama.
7º – E São Pedro com isso?

Os romanos, sempre eles, deram a aquele “botão” de argila azul, o nome de Petrus, que significava pedra ou rocha (durante o verão, a argila seca e torna-se tão dura quanto pedra). Uma outra grafia para esta palavra, era Pedro, o nome do líder dos apóstolos de Cristo, que sentenciou: “Sobre esta pedra eu vou edificarei a minha igreja”. Quando Madame Loubat tornou-se proprietária do Petrus na década de 1940, ela encomendou um novo rótulo para seu vinho, desta vez, ilustrando São Pedro segurando as chaves para o reino dos céus. Alguns anos mais tarde, ela também encomendou uma estátua do santo, que ainda tem lugar de honra na propriedade, consolidando definitivamente sua “marca”.
8º – E para beber o Petrus, quanto você vai precisar gastar?

As grandes safras de Petrus que estão prontas para serem degustadas no auge, incluem anos como 1975, 1982, 1990 e 1995. Por outro lado, anos “menores” como  1981, 1992, 1993 e 2002, também estão prontos. Para Berrouet, o melhor vinho entre as safras superiores para beber já seria o 1995, enquanto nas safras apenas “boas”, ele recomendaria o ano de 2002.
Para comprá-los, esqueça os preços no Brasil (começam acima dos R$8.000 por garrafa). Os preços de varejo no exterior para as melhores safras variam entre 2.000 e 3.500 euros por garrafa, algo extremamente caro até mesmo no exterior. Para safras menores, esse preço pode cair significativamente, para algo entre 700 a 900 euros por garrafa, mas ainda assim, quase inacessível para a maioria dos “mortais”. 
9º – Secagem das vinhas com o uso de helicópteros

Em 1987, o tempo estava tão úmido no Pomerol que eles tomaram uma decisão drástica: usaram um helicóptero para “secar” as vinhas. “Tinha sido um verão muito, muito quente, e depois, durante a colheita, choveu sem parar”, lembra Berrouet. “Trouxemos helicópteros para tentar secar as uvas o suficiente para fazermos a colheita.”, disse ele.
10º – Se você não pode (ou não quer) pagar por um Petrus, faça uma tatuagem..
.
Daniel Sobolevskiy, um amante de vinhos de Nova York é tão apaixonado pelo Pétrus que tatuou o famoso rótulo em seu braço. Depois de três semanas de trabalho, ele chegou ao resultado da foto acima.
Para finalizar, eu não poderia deixar de mencionar minha única experiência com esse mítico vinho do Pomerol. Escrevi sobre ela tempos atrás. “O primeiro Petrus a gente nunca esquece!”. 
Fonte: adaptado de Wine Searcher

Publicidade

13 COMENTÁRIOS

  • Martins Fernandes - 24 de junho de 2016 às 21:02

    Adoro este vnho,quwro ter toda a informação getal sobre ele obrgado

  • arnobio - 28 de dezembro de 2016 às 22:20

    vinho maravilho em que tive aportunidade de participa de uma vertical de safras impar fantastico

  • Elen Yael - 19 de março de 2017 às 04:11

    Olá, gostaria de saber onde encontro o vinho Petrus, onde posso pesquisar melhores preços fora do Brasil?

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 19 de março de 2017 às 20:15

      Olá Elen,
      É bem raro encontrar o Petrus nas importadoras brasileiras, mas as costumam trazer pequenas quantidades são: World Wine e Grand Cru.
      Existem algumas lojas virtuais como a Prime Vin e a Wine Brasil que também possuem algumas garrafas para venda. Faça uma pesquisa nelas.
      Abs,
      Luiz Cola

  • Adriana - 9 de junho de 2017 às 06:55

    No Santa Luzia há disponibilidade de Petrus, mas a 42 mil reais cada garrafa!!! Enjoy!

  • Ronaldo - 1 de julho de 2017 às 12:42

    Vinho muito bom!!! Estou guardando a proxima pra 62

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 2 de julho de 2017 às 15:50

      Esse é bom a qualquer momento, Ronaldo!

  • vicente - 22 de agosto de 2017 às 21:35

    No Fogo de Chão de Miami tem a 550 dolares

  • Errol Flynn - 4 de setembro de 2017 às 18:08

    So faltou comentar que ele não faz parte da legislação dos Crus

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 4 de setembro de 2017 às 20:32

      Olá Errol,
      Você tem toda razão! Mas na verdade isso vale para todos os vinhos do Pomerol. Até os dias de hoje, não há nenhum tipo de classificação para essa A.O.C. francesa.
      Abs,
      Luiz Cola

  • M.Henriques - 15 de novembro de 2017 às 21:25

    Boa noite eu tenho uma pequena coleção de vinhos de bordeaux 10 ou 11 garrafas todas com mais de 40 anos entre as quais tenho 1 petrus alguém interessado posso fazer negócio

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 16 de novembro de 2017 às 08:49

      M. Henriques,
      Envie a relação dos vinhos para o email [email protected] e verei se posso te ajudar a vendê-los.
      Abs,
      Luiz Cola

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO