gente em conserva

  • Lúcio Manga
  • 30/set/2014
  • 0 Comentários

 

ps. leia a coluna de hoje ouvindo sob medida com de holanda, o chico buarque.  acesse aí, vai: https://www.youtube.com/watch?v=LqJwBCxCtPU

 

leia aqui… aqui ó… z se eu não estou enganado… sou mais de querer enganar… se não me engano, a ideia era z construir um futuro livre de opressores… a ideia do passado imperfeito dignifica a frase z anterior no propósito de provocar a sensação de que vem aí uma narrativa… z

era z uma vez uma sociedade (pra mim sociedade teve sentido em 1982… ali naquele quando, z entendi que de fato era um eu…) era um viés… uma sociedade diretas já que demolia as z estruturas embrutecidas… que queria poder se libertar…

o tempo, z sempre esse estraga prazeres, vem e resolve atarraxar a tampa do vidro de conserva e, z perdida nas possibilidades de liberdades, a sociedade z resolve amarrar cordas antropologicamente z moldadas para o futuro… e como vêm se consolidando esse conservadorismo de cordas… z

eles estão z mais organizados… armados com bombas de efeito moral e bons costumes… reúnem z exércitos fundamentalistas z que empurram para o estômago social todas as bravuras… z todas as medalhas de honra ao mérito… o mundo cão das celebridades… z

as gentes estão z cansados de social… é preciso enamorar-se z de economia… o mundo das moedas do z tio patinhas… é preciso ter o mérito… é preciso não precisar… precisamos de pessoas z que não precisem… precisamos pessoas imprecisas… e precisamos já… z

neste instante z em que tudo te incomoda… incomodados que mudem tudo de uma só vez… e tome z discurso moral… por dentro das imoralidades… e tome discurso moral… das celebridades z de deus…. a propagação do amor só pra quem ama o mesmo deus que eu… o egoísmo divino… z quem pode mais que quem não quer pelos outros?

onde está o z taliban dos imorais que não respondem? o formigueiro eleitoral é o emaranhado das z pessoas que lutaram pela moral e pelos bons costumes… todo mundo é deus quando se é z preciso ser… e não há quem fraqueje nesta hora de nem ao menos alimentá-lo… deus z está, só, lá no fim…

z um mundo z muito pior, cheio caretice cretina… já derrama o cimento do contra piso… é duro respirar-se com z a corda no pescoço… endurecidamente na brutalização de quem z se comporta muito bem, z muito bens… bens… todos os bens do mundo só pertencem a quase ninguém… e quem z não nasceu por lá… pelas entranhas de quem pode ser… ser para ter ter para ser ser  z para aparecer… parecido com a moralidade das imoralidades cometidas contra os de fé e z de boas vontades individuais…

o mundo padrão… z o mundo patrão… tudo que eu disser agora será jargão… quanto cão… mundo das z gravatas… das mulheres que se prestam quase nuas de si mesmas… em cima mesmo… z de quase até não poder… consuma menos… suma z mais… assuma-se cada vez mais… assuste-se cada vez mais… z tudo que se pode ser z é sempre por demais… em demasia… quase todas as pessoas em que acredito têm azia… z tudo culpa da má digestão…

como levar para dentro de si z toda essa gente envolvida com metas… a grande sacada é bater, bater não… superar z metas e as tais expectativas, antes que sejam metidas de mais…ansiedade corporativa tudo que eu tenho não z passa de alguns trocados… todo mundo é trocado… todo mundo uma hora é deixado de lado… z onde está o sorriso z da moça mais z linda?

ódios raiva raivosamente gritados… z para dentro sem som… precisamos fazer um som… reunir as pessoas… tipo virada z cultural… dê cultura ao povão… deem-se ao povão… mas não se doem, não se duam… z nem z deixem qualquer impressão de que é preciso levantar bandeirinhas coloridas… z estampadas com frases certeiras… mulheres que morrem fazendo aborto z clandestinamente z morrem se muitas sós de uma vez… quem tem medo do maconheiro mau, maconheiro z mau, maconheiro mau?… as malvadezas cheias de certezas… chega de liberdade sem s/a… cotas não! z mais médicos não! bolsa família não!… nada de divisão… mundo cão é multiplicação… z

o esperma de garanhão z dos conservadores z procria na barriga de todas as necessidades de justiça com as próprias mãos… quem z não se repete? quem não se repele? quem é capaz de não querer qualquer z coisa em troca… z tudo é por alguns trocados… tudo é… tudo quer… z queira você ou não, há z muito mais chances do não vencer… o não sempre foi bruto… diga não ao não… caetanamente… z quando será a próxima virada?

(… eu fico escrevendo e pensando como z wilbert(bith), alex, penha lins e zé augusto, meus mestres, poderiam estar lendo minhas z palavras… alex tá debochando agora, já… com a risada sacana… duvido que não…)… o z ao longo texto a me alegrar, a me contaminar … é a moça dos sabonetes araxá é zâmia, meu amor… que não para…)

 

([email protected])

Publicidade

0 COMENTÁRIOS

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO