raiva

  • Lúcio Manga
  • 12/mar/2017
  • 0 Comentários

leia a coluna de hoje ouvindo filantrópico, com os titãs. acesse aí, vai:  preso dentro do instante, na casa pontilhada pela minha infância. aprendi a andar na rua de forma livre, sem medo, sem nada que pudesse me abalar… mas tropecei na miséria da realidade… […]

as entranhas coisas que não se quer saber

  • Lúcio Manga
  • 09/out/2015
  • 3 Comentários

leia a coluna de hoje ouvindo o camelo e o dromedário, dos titãs. acesse aí, vai:                                                                                            onde fica a parte do corpo em que se esconde o outro? onde se fincam as dores dentro do analgésico depois que tudo passa? onde estão os meios […]

“já quis demais alguma coisa já quis alguma coisa já?”

  • Lúcio Manga
  • 11/jul/2015
  • 5 Comentários

leia a coluna de hoje ouvindo já, com titãs. acesse aí, vai:   quando penso em escrever, respiro superficialmente, que é justamente para negar qualquer relação vexaminosa com a inspiração, e ligo uma canção… nada sai de mim se uma canção não disser antes a […]

e o medo que mete esse espelho que não reflete?

  • Lúcio Manga
  • 02/abr/2015
  • 6 Comentários

leia a coluna de hoje ouvindo “medo”, dos titãs. acesse aí, vai: um mundo líquido, a escorrer pelas mãos, denuncia que há algo prestes a acontecer bem dentro do a qualquer momento. a vida é um intervalo comercial do que se quer ser… é a […]

tentação

  • Lúcio Manga
  • 22/fev/2015
  • 0 Comentários

leia a coluna de hoje ouvindo cabeça dinossauro com titãs. acesse aí, vai: tente reverter as ideias de quem acredita que o certo está no discurso construído pelo passado da realidade… ali, no fragmento simultâneo das coisas, em que a sociedade conserva, nas suas fotografias […]

espelho, espelho eu…

  • Lúcio Manga
  • 29/out/2014
  • 0 Comentários

  ps. leia a coluna de hoje ouvindo o camelo e o dromedário com titãs.  acesse aí, vai:  https://www.youtube.com/watch?v=PIwt_KKJIIU … não, não me responda de pronto… só escute o meu lamento até o fim… (nessa metáfora canastrona que por hora se inicia, você, leitora… eu […]