Vinhos para sonhar: os “Wine Legends” de 2013 da Decanter Magazine (3ª parte)

  • Luiz Cola
  • 30/dez/2013
  • 0 Comentários

Mensalmente a revista inglesa Decanter Magazine elege um vinho especial e raro que merece ser reconhecido como um vinho lendário (Wine Legend). Ao longo de 2013, foram selecionados 12 vinhos realmente dignos de ostentar esse título, entre eles, preciosidades do quilate de um Taylor’s Vintage 1927, de um Barolo de Conterno Monfortino 1978 ou de um Cros Parantoux 1990 de Henri Jayer. 
Depois de ver os seis primeiros vinhos apresentados na e partes desta lista, conheça um pouco melhor outros três vinhos dentre os 12 selecionados pela Decanter, rótulos sublimes que circulam como lendas pela mente dos enófilos mais apaixonados:
O Château Haut-Brion sempre teve o mérito de produzir ao longo dos anos o mais prestigiado branco de Graves, ainda que sempre tenha enfrentado uma forte concorrência do branco de seu vizinho, o Château La Mission Haut-Brion, 
Desde a sua primeira safra em 1916, o Haut-Brion Blanc sempre foi produzido em quantidades muito pequenas, mas sempre foi um vinho poderoso e de longevidade considerável. Devido a essa escassez de produção e pelo fato de ser o único vinho branco produzido entre os 5 Premiers Grands Crus Classés de Bordeaux, ele é sempre muito procurado pelos colecionadores. 
Número de garrafas produzidas: 8.400
Composição: 54% Sémillon e 46% Sauvignon Blanc
Preço de lançamento: ND
Preço de venda atual: £1.410 por garrafa
Nas décadas de 1950 e 1960, os produtores de vinho das principais vinícolas da Austrália foram autorizados a tentar elaborar pequenos lotes de vinhos “notáveis”, dando-lhes números “bin” (relativos às barricas usadas) para diferenciá-los do vinhos engarrafados regularmente. 
Muitos destes vinhos, brancos e tintos, foram logo reconhecidos como clássicos, especialmente a série produzida pela Lindeman’s no Hunter Valley. Apesar do rótiulo “Burgundy”, esse vinho continha apenas um pequena parcela de Pinot Noir (neste 1959, foi feito com 100% Shiraz! Coisas de australianos…).
Número de garrafas produzidas: 6.000
Composição: 100% Shiraz
Preço de lançamento: AUD$ 26
Preço de venda (em leilão): £1.477 por garrafa
Um vinho lendário porque apesar de Henri Jayer não ser um grande proprietário de terras na Côte de Nuits, todos os seus borgonhas tintos feitos em apenas 1,5 ha de terras em Cros-Parantoux, Richebourg e Echézeaux, tornaram-se os mais procurados dentre todos da região, especialmente o de Cros-Parantoux, um pequeno terreno 1er Cru, frequentemente considerado como sendo de qualidade Grand Cru. 
O estilo de Jayer pode não parecer tão notável hoje em dia, com frutos completamente maduros, baixos rendimentos, desengace completo, resfriamento das uvas antes da da fermentação e uso generoso de carvalho novo, mas na década de 1970 e 1980, ele produziu vinhos com uma clareza e intensidade que muitos consideraram excepcionais. 
Nascido em 1922, Jayer adquiriu muitos admiradores e discípulos entre outros produtores da Borgonha até sua aposentoria em 1995. 
Número de garrafas produzidas: 3.500
Composição: 100% Pinot Noir
Preço de lançamento: ND
Preço de venda (em leilão): £7.440 por garrafa
Amanhã publicarei os últimos 3 vinhos desta fantástica lista de vinhos lendários.

Publicidade

0 COMENTÁRIOS

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO