Direto da Taça: Os (meus) Melhores Vinhos do Ano de 2014!

  • Luiz Cola
  • 30/dez/2014
  • 0 Comentários

Como já é uma tradição no blog, depois de publicar as principais listas dos melhores vinhos do ano elaboradas pelas publicações mais relevantes e pelos principais críticos de vinho do Brasil e do mundo, chegou a vez de publicar a minha própria lista de melhores do ano.

Desta vez aguardei até o penúltimo dia deste ano para considerar encerradas as possibilidades de degustar algum grande (ou surpreendente) vinho que pudesse entrar nesta pequena lista. Agora é hora de celebrar mais um ano muito bem vivido e recheado de belas garrafas. 

Mais uma vez a lista de vinhos degustados foi longa, ultrapassando a barreira dos mil rótulos. Apesar de alguns poucos vinhos desagradáveis, o saldo do ano foi muito positivo e para fazer uma pequena seleção dos melhores vinhos, decidi utilizar as fotos postadas em meu instagram para facilitar as escolhas.

Mesmo correndo o risco de eleger apenas um vinho como o “Melhor do Ano”, minha razão e minha emoção conseguiram chegar a um consenso de que o Viña Tondonia Gran Reserva 1970 (foto acima) degustado em abril, antes de minha viagem para a Rioja, mereceu essa distinção.

Dom Pérignon 2003 e 2004 (Champagne – França)
Uma dupla de Champagnes que fez jus ao nome estampado no rótulo…
Palácio do Buçaco Branco 2005 (Bairrada – Portugal)
Um branco que exibe toda a estirpe e exotismo dos vinhos da Bairrada…
Raul Perez Sketch 2007 (Rias Baixas – Espanha)
Uma sofisticada estripulia “submarina” feita com a Albariño por Raul Perez…
Caves São João Frei João Branco 1967 (Bairrada – Portugal)
Pouquíssimos lugares do mundo poderiam produzir um branco que chegasse aos 47 anos em tão boa forma…
Jacques Prieur Montrachet Grand Cru 2001 (Borgonha – França)
Esse dispensa apresentações: o “Olimpo” para a casta Chardonnay…
Catena Zapata White Bones Chardonnay 2009 (Mendoza – Argentina)
Sem sombra de dúvida, o melhor branco argentino que já degustei…
Tissot Les Graviers 2011 (Jura – França)
Um Chardonnay surpreendente em todos os sentidos…
Caves São João Reserva Particular 1975 (Bairrada Portugal)
Mais um vinho dessa vinícola “encantada” que poderia ser resumido assim: elegantemente rústico e modestamente sofisticado…
Paolo Bea Sagrantino de Montefalco Pagliaro 2006 (Umbria – Itália)
Um vinho capaz de tirar nossos pés do chão…
CVNE Imperial Gran Reserva 1996 (Rioja – Espanha)
Um clássico da região que nunca me decepcionou…
Vieux Télégraphe Châteauneuf-du-Pape “La Crau” 1998
Um vinho bebido em seu apogeu, justificando toda a admiração que sinto pelos tintos dessa região…
Château Lynch-Bages 1989 e 1990 (Pauillac – Bordeaux – França)
Mais uma vez repito essa dupla e me curvo a excelência dessas safras míticas para Bordeaux…
Penfolds Grange 1998 (South Australia – Austrália)
O melhor Shiraz da Austrália, capaz de se igualar (ou mesmo superar) aos melhores Syrah do norte do Rhône… Nunca bebi um que não estivesse excepcional!
 Renace 2011 de Bodegas Re (Maule – Chile)
A obra prima de Pablo Morandé, que como a Fênix, renasceu com esse e outros vinhos inovadores produzidos no Maule. Um “vino de autor” como diriam os chilenos…
David Arthur CS 2005 (Napa Valley – Califórnia – EUA)
Um dos raros vinhos americanos que conseguiram me encantar em 2014…
Arzuaga Gran Reserva 2001 e 2004 (Ribera del Duero)
Aquilo que já era excelente ficou ainda melhor diante dos vinhedos de onde são extraídos…
Domaine de la Romanée-Conti Richebourg 2001 (Borgonha – França)
Um vinho com pedigrée impecável que colocou-se entre os melhores num desafio de Grands Crus da Borgonha. Um vinho com história e “estórias” para contar…
Niepoort Batuta 2004 (Douro – Portugal)
A grandiosidade da safra representada com a perfeição de Dirk Niepoort…
Vertical de vinhos raros da Weinert (1977 a 1994)
 Um choque de “novidade” para quem acha que sabe tudo sobre vinhos argentinos…
Vinhedo Serena Pinot Noir 2012 (Nova Pádua – Brasil)
A grande novidade em termos de vinhos brasileiros do ano! Difícil é achar para comprar…
Bruno Giacosa Barolo Faletto 2000 (Piemonte – Itália)
Indiscutivelmente, o melhor Barolo degustado em muitos anos… Perfeito!
6 décadas de Rioja, a vertical do ano!
Não é todo dia que podemos reunir Riojas das melhores safras de 6 décadas distintas: Viña Pomal Reserva Especial 1955, Imperial Reserva 1964, Viña Real Gran Reserva 1973, Viña Tondonia Reserva 1982, Viña Tondonia Gran Reserva 1991 e Faustino I Gran Reserva 2001…
Marchesi di Frescobaldi Castelgiocondo Brunello di Montalcino Riserva 1997 (Toscana – Itália)
A grandiosidade da safra degustado em pleno apogeu… Textbook Brunello!
Clos Rougeard “Les Poyeux” 2009 (Loire – França)
Para muitos, o melhor tinto do Vale do Loire e um dos melhores Cabernets Francs do mundo!
Vertical de Bordeaux 1989: 25 anos vividos em grande forma!
Dizem que aos 25 os Bordeaux chegam ao apogeu, esses aqui ainda estavam novos…
Châteaux Giscours, Brane-Cantenac, Cos d’Estournel, Pontet-Canet e Bourgneuf 1989
Besombes Sigla Cuvee Amedee De Rivesaltes 1945 (Languedoc-Roussillon – França)
Não muito o que dizer sobre esse Muscat guardado por 63 anos em um velho tonel, o tempo passa voando por nossa garganta enquanto o bebemos…
Taylor’s Single Harvest Port 1863 (Douro – Portugal)
Se 69 anos passaram rápido no Rivesaltes 1945, o pequeno gole deste gigante de 151 anos parece que ainda permanece no meu palato… Estrondoso!
Acho que exagerei e vou ficar por aqui… Muita gente boa passou ao largo dessa lista, mas esses 44 vinhos realmente representam o que de melhor passou pela minha taça em 2014. Feliz Ano Novo e até 2015!

Publicidade

0 COMENTÁRIOS

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO