Tabela de safras: saiba como usar essa importante ferramenta na hora de comprar ou abrir um vinho!

  • Luiz Cola
  • 22/jun/2015
  • 3 Comentários

Qual safra de uma determinada região vinícola é a melhor para comprar? A partir de quanto tempo seus vinhos vão atingir o momento ideal para o consumo? Justamente para responder a essas e outras perguntas é que são desenvolvidas as tabelas de safras. A maioria delas apresenta, ainda que de maneira bastante condensada, uma avaliação sobre a qualidade média das últimas safras lançadas pelas principais regiões produtoras ao redor do mundo. Complementando essa informação, elas incluem também as projeções sobre o melhor momento para degustar os vinhos nelas produzidos.

As tabelas mais completas e conhecidas são editadas e atualizadas periodicamente pela publicações americanas Wine Spectator, Wine Advocate (do crítico Robert Parker) e Wine Enthusiast. Todas usam uma metodologia bastante similar, conferindo notas de 0 a 100 para cada safra e adicionando um código (uma letra e/ou cor) para informar o momento ideal para beber (ou guardar) os vinhos.

Veja a seguir as versões mais recentes dessas três tabelas de safras e fique alerta sobre os melhores anos para comprar vinhos de sua região vinícola predileta.

Para ver tabelas de safras mais detalhadas e específicas já publicadas no blog, digite “tabela de safras” no campo pesquisa, no lado direito da página.

Robert Parker Vintage Chart 2015

Wine Enthusiast Vintage Chart 2015

Wine Spectator Vintage Chart 2015

Publicidade

3 COMENTÁRIOS

  • Sergio - 5 de agosto de 2015 às 12:59

    Caro Luiz

    Parabéns pela qualidade das matérias, das pesquisas e dos textos.

    Faço apenas uma observação nessa matéria, no tocante aos escores dos vinhos. Na verdade, a escala não é de 0-100, mas de 50-100. O Parker, que aparentemente criou essa escala (a escala que era e continua sendo usada pelos ingleses e franceses é a de 0-20), diz que qualquer vinho merece 50 pontos, só por existir…

    Na verdade, acredito que foi a desculpa utilizada por ele para adotar uma escala de 50 pontos (que já é 2,5 vezes mais pretensiosa do que a de 20 pontos, como lembra o Hugh Johnson) e, ao mesmo tempo, agraciar os bons vinhos com escores em torno dos 90 pontos, remetendo às notas que são familiares a todos nós, porque usadas para avaliação dos alunos nas nossas escolas (EUA, Brasil etc.), embora, nesse caso, seja possível receber notas abaixo de 50 (como todos nós lembramos sem nenhuma saudade). Os europeus adotaram a escala de 20 pontos pelo mesmo motivo: é assim que os alunos são avaliados nas escolas deles.

    O certo é que a questão continua a mesma, seja qual for a escala: é possível atribuir um escore a um vinho? Isso faz sentido? Ou é tudo uma questão de gosto, opinião, ocasião, estado de espírito etc.? Eu mesmo, para meu uso, adoto uma escala bem mais simples: de uma a cinco estrelas, e só.

    Abç
    Sergio

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 5 de agosto de 2015 às 15:18

      Olá Sérgio,

      Fico satisfeito que aprecie o conteúdo do blog.
      Quanto a questão da escala Parker, sua observação é válida e esta bem descrita num post que publiquei em 2010: https://blogs.gazetaonline.com.br/vinhosemaisvinhos/2010/11/entendendo-o-sistema-de-pontuacoes-de.html
      Seguindo a mesma lógica, a tabela 0-20 usada por Jancis Robinson, Decanter e outros críticos europeus, teria de ser vista numa faixa limite entre 10 e 20 pontos, visto que abaixo disso o vinho seria considerado defeituoso.
      Por conta de acreditar que essas minúcias causariam certa confusão aos leitores menos familiarizados com o tema, optei por não detalhar tanto a questão.

      Espero que continue a tecer seus comentários sobre os textos publicados e me permita esclarecê-los e/ou corrigi-los quando for necessário.

      Um abraço,
      Luiz Cola

  • Eduardo Sabino - 30 de julho de 2018 às 12:16

    Parabéns pela matéria. Essas tabelas são importantíssimas para o argumento de venda, principalmente dos rótulos com maior valor agregado, mas só são acessíveis aos assinante dessas revistas. Vou baixar e imprimir.
    Sou sommelier no Rio de Janeiro e a aqui a crise (e os altos impostos) está fechando muitos estabelecimentos gastronômicos, estou me virando com extras aqui e ali, mas se souber de algum parceiro precisando de um profissional experiente e muito estudioso, indique meu currículo por favor: https://uvaecevada.wixsite.com/blog/curriculum

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO