Descoberta na Inglaterra a mais antiga garrafa de vinho do mundo!

  • Luiz Cola
  • 07/mar/2016
  • 13 Comentários

Quem diria, mas a Torre de Londres, famosa por abrigar as joias da coroa britânica, também escondia em seus arredores um outro tesouro inimaginável: a mais antiga garrafa de vinho do mundo (provavelmente ainda apta ao consumo)!

O site Bom Dia Europa relatou que arqueólogos descobriram durante em escavação recente no local, uma antiga adega pertencente a um militar britânico do século XVII. Dentre os objetos encontrados em seu interior, estava uma garrafa de vinho Madeira datada de meados daquele século, perfeitamente lacrada e com seu conteúdo intacto (além de uma outra garrafa com o conteúdo pela metade).

A hipótese mais provável apontada pelos especialistas é que essa garrafa do século XVII tenha sido elaborada com uvas colhidas na primeira metade daquele século e enviada da ilha da Madeira para as colônias britânicas no Caribe, regressando posteriormente para a Inglaterra até chegar às mãos de seu derradeiro proprietário. A casa onde a garrafa foi encontrada pertencia ao artilheiro-mor da Torre de Londres, demolida no final da década de 1670 e reconstruída alguns anos depois sobre as ruínas existentes.

Essa preciosa garrafa (e sua irmã semi consumida) ficaram enterradas no local até os dias de hoje e deviam ter um teor de álcool na faixa dos 10 a 12% de álcool e baixo açúcar residual. Contudo, depois uns 320 anos, o nível de álcool recuou para cerca de 6%. Por incrível que pareça, a análise da garrafa sugere que seu gosto e textura do vinho em seu interior permaneceram milagrosamente inalterados durante todos esses anos.

Publicidade

13 COMENTÁRIOS

  • Avelino - 7 de março de 2016 às 20:11

    Não acredito que esteja em condições de ser degustado

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 7 de março de 2016 às 20:22

      Olá Avelino,
      Concordo com você! É bastante tempo para qualquer vinho e o fato dele não ser fortificado me deixa com os dois pés atrás…
      Abs,
      Luiz Cola

  • Priscila Silva - 7 de março de 2016 às 20:34

    Creio que está mais para um vinagre do que vinho…. a “vida” desses daí já era… mas, seria interessante se fosse um “vinho” de verdade intacto… seria espetacular essa análise sensorial, coisa que nem os melhores enólogos jamais teria sentido…. Rsrsr…

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 7 de março de 2016 às 20:40

      Priscila,
      Como já respondi antes ao Avelino, creio que se ele fosse um Madeira “fortificado” como os feitos a partir do final do século XVIII em diante, até que haveria uma boa chance dele estar palatável… Somente se ele for aberto saberemos!
      Abs,
      Luiz Cola

  • Willian Conrado - 8 de março de 2016 às 14:09

    Mas ai é que tá, caro Luiz… Será que vão abrir? rss
    Abraços.

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 8 de março de 2016 às 16:42

      Olá William,
      Acredito que sim. Tudo em nome da ciência, é claro! 🙂

  • Nilson Cesar - 9 de março de 2016 às 11:17

    Este mundo do vinho é uma maravilha, surpresas a toda hora.
    Vinho é isto, um conjunto histórico, cultural na geografia de um povo sobre um solo, sob um clima , com arte e paixão.
    Abraço!

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 9 de março de 2016 às 11:24

      Olá Nilson,
      Pelos trailers, a série promete ser muito boa. Vamos aguardar!
      Abs,
      Luiz Cola

  • José Rosário - 24 de março de 2016 às 18:55

    No Museu de História do Palatinado, na Alemanha, está aquela que se presume ser a mais antiga garrafa de vinho : o “Romerwein” foi encontrado em 1867, durante a escavação da tumba de um suposto legionário romano, e data do terceiro século… antes de Cristo ! Para saber mais, pesquisem na Net.

  • Herbert Lopes - 2 de dezembro de 2016 às 08:16

    Com teor de 6% em boas condições ? Definitivamente não creio. Se ainda fosse fortificado e na atualidade tivesse mantido uns 14%, até acreditaria. As bactérias fizeram um acordo pra ficar dormindo 300 anos no interior da garrafa ? Isso é apenas o vinagre mais antigo do mundo.

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 2 de dezembro de 2016 às 08:41

      Olá Herbert,
      Concordo plenamente!
      Creio que a “história” do vinho é que vale alguma coisa. Mesmo que o conteúdo estivesse palatável, não creio que ele fosse aberto por seus descobridores.
      Abs,
      Luiz Cola

  • Silas - 11 de maio de 2017 às 17:26

    Espetacular, pura história engarrafada. Passa pela minha cabeça tudo o que aconteceu no mundo desde o engarrafamento até o momento atual, e o líquido permaneceu lá por todo esse tempo. Maravilhoso.

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO