Sour Grapes: Documentário conta o caso do maior falsificador de vinhos da história!

  • Luiz Cola
  • 02/set/2016
  • 7 Comentários

Perfeitamente ambientado no mundo dos super-ricos dos EUA (sobretudo em Nova York e Los Angeles), no auge do boom financeiro dos anos 2000, o jovem Rudy Kurniawan exibia-se nesse circuito como um generoso anfitrião, expert em vinhos, que oferecia um sem número de vinhos raros oriundos de sua enorme adega.

Tudo ia bem na vida de luxo e prestígio de Kurniawan. Até que em 2006, depois de amealhar cerca de 35 milhões de dólares em dois leilões de vinhos provenientes de sua adega, ele chamou a atenção de alguns produtores de vinho e do departamento especializado em falsificações do FBI.

Sour Grapes Dogwoof Documentary 4

Como numa versão moderna da hilária fábula “A roupa nova do Rei”, Kurniawan vendeu uma enorme quantidade de vinhos valiosos e de safras raras para os colecionadores americanos. Tudo falso (ou pelo menos a grande maioria…).

A “casa caiu” quando Laurent Ponsot, famoso produtor da Borgonha, soube que safras antigas dos vinhos de seu domaine estava sendo vendidos por Kurniawan. O problema era que eles eram de safras que nunca foram produzidas! Na mesma hora, Ponsot pegou um avião para Nova York e desmascarou o falsário após uma longa cruzada.

O filme vai estrear no próximo dia 16 de setembro. Espero que ele também chegue no circuito nacional. Enquanto isso, assista o trailer e veja um pouco do que ele retrata.

Publicidade

7 COMENTÁRIOS

  • Bartira coutinho - 26 de novembro de 2016 às 22:49

    Estou vendo o documentário e é tão absurdo que pensei ser um filme que fingia ser documentário kkkkk
    É como se a arrogância impusesse uma venda e todos ficaram cegos, é bem louco isso

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 27 de novembro de 2016 às 13:18

      Olá Bartira,
      Esse documentário parece reproduzir a fábula “A Roupa nova do Rei”, não acha? 🙂
      Abs,
      Luiz Cola

    • Hilton Pereira - 13 de maio de 2017 às 18:16

      Saúde! Isto se deve a carência do ser humano buscando entender o desconhecido e ao mesmo tempo buscando comprar um pedigree de algo que levou anos para ser criado. Tudo leva tempo e durante este tempo devemos buscar conhecimento sem pressa.

  • Joel Maciel - 14 de março de 2017 às 14:00

    Olá Luiz Cola,
    Muito oportuno o seu comentário a respeito desse filme/ documentário. O mundo do vinho ainda é demais místico e carregado de lendas e embusteiros, infelizmente. A sinceridade e honestidade é algo raro nesse meio.
    Gostaria da sua orientação de como assistir esse filme. Ele não entrou no circuito nacional, pelo menos não na minha região (MT).

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 14 de março de 2017 às 16:33

      Olá Joel,
      Ele está já disponível no Netflix! Caso não seja assinante, procure um amigo enófilo que seja e apreciem o filme com um bom vinho para harmonizar.
      Abs,
      Luiz Cola

  • Alexandre Rocha - 21 de abril de 2017 às 21:50

    Esse documentário demonstra a inteligência perversa do golpista…
    Na Europa, onde se conhece melhor vinho, não daria certo.
    Há tipos humanos adoráveis, como o investigador tantas vezes interrompido pelo seu cachorro.
    Vale a pena!
    Custou, mas consegui finalmente assistir!
    Prestem atenção no pedigree do fulano: os tios assaltaram o maior banco da Indonésia e sumiram!
    Coisa de US $ 750 milhões !
    É um mundo real que supera em
    muito o da fantasia!
    Renovo aqui a minha convicção de que vinhos caríssimos podem não valer o risco: melhor comprar bons vinhos numa faixa acessível do que ser enganado.
    O golpista vai envelhecer por dez anos na garrafa da prisão para servir de exemplo!
    Saudações enófilas!

    • Athayde Jr - 3 de janeiro de 2018 às 10:22

      Em minha opinião, ninguém dá um golpe desses sozinho. Esse cara foi treinado e preparado para isso. Um imigrante oriental não cresce no meio dos ricos se não for introduzido por alguém que já transita no meio. Alguém introduz. Era ilegal nos EUA. Como ele obteve empréstimos e abriu empresas? Um simples email ao produtor seria o suficiente para se identificar que as safras nunca foram produzidas. Desculpe, mas uma casa de leilões séria faz toda uma investigação prévia. Mas o mercado do luxo, do poder e da ostentação é cego. Sinceramente acho ridiculo esse mundo ostentação.

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO