Volta ao mundo através do vinho: o Douro!

  • Luiz Cola
  • 08/maio/2018
  • 0 Comentários

Nessa terceira escala pelo mundo do vinho, faremos um passeio pela região portuguesa do Douro, uma das mais belas zonas vinícolas do mundo! Ela simboliza perfeitamente o árduo trabalho do povo lusitano, que há séculos, planta vinhas naqueles vales íngremes de solo xistoso para nos presentear com seus fabulosos vinhos fortificados, os “Vinhos do Porto”!

Nossa viagem começa pelas pitorescas cidades do Porto e Vila Nova de Gaia, situadas às margens do Oceano Atlântico, onde até hoje são armazenados e escoados a maioria dos vinhos produzidos na zona vitícola do Douro, que se inicia cerca de 100 km para o leste.

Em Vila Nova de Gaia estão concentradas as caves históricas onde as grandes produtoras de Vinho do Porto amadurecem seus vinhos longamente antes de coloca-los no mercado. Um tempo de espera que pode durar apenas dois anos, mas que pode se prolongar por 10, 20, 40 anos ou até mesmo ultrapassar um século!

Visitar pelo menos uma dessas caves centenárias é um programa obrigatório, até mesmo para quem não é tão afeito ao vinho. Várias delas estão instaladas bem próximas umas das outras ao longo do rio Douro. Entre as de maior destaque estão a Sandeman, a Porto Cruz (com um ótimo museu interativo e terraço panorâmico), a Ramos Pinto, a Ferreira e a Calém.

Quinta da Boeira e a “maior garrafa de vinho do mundo”!

Para quem busca uma experiência mais completa, vale a pena seguir morro acima até o complexo da Quinta da Boeira (www.quintadaboeira.pt) para conhecer algumas atrações do lugar, desde seu belíssimo palacete do século XIX (com um charmoso restaurante) até entrar na “maior garrafa de vinho do mundo”, passando pelos magníficos jardins da quinta.

Ainda em Vila Nova de Gaia, encontra-se também o The Yeatman, um hotel 5 estrelas com inúmeros programas vínicos e gastronômicos, disponíveis mesmo para quem não está hospedado, e a melhor vista da cidade do Porto. Imperdível!

Deixando para trás o litoral, existem três boas maneiras de alcançar o coração do Douro: de carro, para quem pode desfrutar das belezas da região sem pressa, em passeios de trem que margeiam o rio, ou ainda num cruzeiro panorâmico (ideais para quem tem pouco tempo na região).

Seguindo de carro pela autoestrada A4, passamos por Vila Real, capital da região do Alto Douro, antes de descer a Serra do Marão para chegar em Peso da Régua, às margens do rio Douro. Em seu entorno, encontramos as primeiras vinícolas da região, com destaque para a Quinta do Vallado, onde existe uma completa infraestrutura enoturística para apresentar as vinhas, as caves e os vinhos. Isso sem falar no hotel de charme que funciona na casa (e num anexo moderno) que pertenceu a icônica D. Antónia Adelaide Ferreira, da Casa Ferreirinha.

Restaurante Castas e Pratos, em Peso da Régua

Ainda em Peso da Régua, vale a pena fazer um almoço no Castas e Pratos, um restaurante bastante original, construído dentro da antiga estação de trem da vila. Para aqueles que estiverem de carro e em busca de uma experiência ainda mais especial, o destino certo fica 12 km à frente: o restaurante DOC, do chef Rui Paula, instalado às margens do Douro (na verdade, boa parte dele fica dentro do rio).

Restaurante DOC Rui Paula, em Folgosa, às margens do Rio Douro

Continuando a viagem até Pinhão, que costuma ser o ponto final dos passeios pelo Douro (ainda que a região se estenda por muitos quilômetros mais), temos mais algumas atrações muito interessantes. Na própria vila, não deixe de visitar a antiga estação de trem para vislumbrar os tradicionais azulejos pintados à mão que decoram o lugar e fazer uma prova de vinhos do Porto no winebar instalado em seu interior. Se houver tempo para se hospedar, a Quinta Nova Luxury Winery House é o lugar perfeito!

Quinta do Crasto, em Gouvinhas

Para finalizar o passeio, nada melhor que visitar uma das vinícolas dos arredores. Há poucos quilômetros de Pinhão podemos alcançar a espetacular Quinta do Crasto, uma propriedade que passou por uma completa renovação no início dos anos 1990 e produz alguns dos melhores vinhos tintos do Douro. De bônus, ela oferece uma vista cinematográfica do rio e dos vinhedos plantados morro acima. Um lindo cenário para encerrar essa viagem!

Como chegar:

De carro: Porto – Vila Real – Peso da Régua – Pinhão (estradas A4-A24-N222)

De trem: www.cp.pt/passageiros/pt

De cruzeiro: http://www.cruzeiros-douro.pt

Vinícolas para visitar:

Quinta do Vallado (Peso da Régua): www.quintadovallado.com

Quinta do Crasto (Gouvinhas): www.quintadocrasto.pt

Onde comer:

Castas e Pratos Peso da Régua): www.castasepratos.com

DOC Rui Paula (Folgosa): www.docrestaurante.pt

Vinhos para degustar e comprar:

Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2014 (Qualimpor – R$305,00)

Quinta do Côtto Grande Escolha 2011 (Mistral – R$425,24)

Taylor’s Tawny 20 Anos (Qualimpor – R$287,50)

Wine & Soul Guru Branco 2014 (Adega Alentejana – R$369,00)

Churchills Estate Douro Tinto 2013 (Grand Cru – R$109,00)

*Texto publicado originalmente na coluna “Vinhos e mais vinhos” no Caderno AG do Jornal A Gazeta (06/05/18).

Publicidade

0 COMENTÁRIOS

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO