Volta ao mundo através do vinho: Bordeaux, a mais nobre região vinícola da França!

  • Luiz Cola
  • 16/jul/2018
  • 0 Comentários

Retornando ao “Velho Mundo” do vinho, chegamos naquela que é uma das regiões produtoras mais famosas do mundo: Bordeaux! Situada na parcela sudoeste da França, as apelações inseridas dentro dessa região formam um dos maiores aglomerados de vinhedos do planeta.

Dentro desse imenso território de vinhedos e apelações de origem controlada (AOC’s), destacam-se o Médoc, Pessac-Léognan, Graves, Sauternes, Saint-Émilion e Pomerol. Distribuídas entre as margens “esquerda e direita” do rio Gironde, essas apelações produzem alguns dos vinhos mais renomados e caros do mundo, sobretudo os tintos baseados na mescla das castas Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot.

Com quase dois mil anos de existência (e produção de vinhos), a bela cidade de Bordeaux é o ponto de partida para percorrer todas essas famosas apelações. Situada a aproximadamente 600 km de Paris, ela pode ser alcançada de avião (cerca de 1 hora), de TGV (3 horas e meia) ou de carro (6 horas, em média) pelas excelentes autoestradas do país.

Considerando a extensão geográfica da região, sugiro concentrar a visita em duas áreas: na margem esquerda, o Médoc (e suas conhecidas comunas de Margaux, Pauillac, Saint-Julien e Saint-Estèphe) é a opção mais interessante; enquanto na margem direita, a charmosa vila medieval de Saint-Émilion, erguida sobre uma colina calcária, é cercada de vinhedos de alta qualidade.

De Bordeaux até Saint-Estèphe, num percurso de 60 km pela rodovia D2, o visitante pode apreciar boa parte dos principais châteaux que compõem a badalada classificação de 1855 (que determinou a posição hierárquica e qualitativa dos melhores vinhos do Médoc).

Château Margaux

A primeira parada é no Château Margaux, um dos cinco vinhos classificados como Premier Grand Cru Classé do Médoc. Ainda que a visita seja para poucos, admirar o château e passear ao redor dos vinhedos que constituem esse grande vinho, não custa nada.

Saint-Julien

Seguindo viagem em direção ao norte, chegamos na comuna de Saint-Julien, onde estão estabelecidos três châteaux de destaque: os Deuxième Crus Classes “irmãos” Léoville Las Cases, Léoville Poyferré e Léoville Barton, separados da propriedade original em meados do século XIX. Da estrada é possível visualizar os vinhedos do fabuloso Léoville Las Cases que percorrem a encosta suave do terreno em direção ao rio Gironde.

Um pouquinho mais adiante, nas cercanias de Pauillac, temos um dos mais belos e emblemáticos castelos de Bordeaux: o Château Pichon-Longueville Baron (foto inicial do post), ponto de parada obrigatório para admirar e registrar a beleza simétrica de suas linhas.

Logo à frente, saindo da estrada em direção a vila de Pauillac, pode-se admirar de perto o rio Gironde e comer alguma delícia gastronômica da Aquitânia num dos inúmeros bistrôs existentes ali.

Alguns quilômetros à frente fica a última parada, Saint-Estèphe, lar do magnífico Château Cos d’Estournel, um edifício de arquitetura singular, inspirada nas viagens ao Oriente de seu antigo dono, sem falar nos grandes vinhos, os melhores dessa apelação bordalesa.

Do outro lado do rio Gironde, uns 40 km a partir de Bordeaux na direção leste, chega-se em Saint-Émilion, um vilarejo ideal para caminhar a pé (de carro é quase impossível), comer e beber muito bem, maravilhar-se com inúmeras lojas de vinho e, é claro, ver de perto alguns outros renomados châteaux situados ao seu redor.

Château Cheval Blanc, um dos mais reputados produtores de Saint-Émilion

Do ponto de vista turístico, duas paradas são obrigatórias na vila: a primeira é na inusitada catedral monolítica do século XII, escavada sob a rocha calcária onde a vila foi erguida. Com dimensões impressionantes, ela chega aos 12 metros de altura em certos trechos. No exterior, apenas sua torre gótica de 68 metros indica que ali há uma igreja. A outra parada obrigatória é bem mais mundana e trivial: a lojinha da fábrica dos legítimos macarrons, cuja receita original é mantida desde o século XVII. Quer goste de doces ou não, esses biscoitos de amêndoas merecem ser apreciados.

La Cité du Vin

Como o espaço sempre é mais curto que a quantidade de informação, deixo aqui uma última dica de visita em Bordeaux: a futurista La Cité du Vin, uma impressionante edificação inaugurada em 2016, que mescla atividades de museu e parque temático capazes de levar seus visitantes através de uma viagem sensorial (visual, sonora e olfativa) ao mundo do vinho. Absolutamente imperdível!

Vinhos para degustar e comprar:

Château Le Puy Emilien 2010 – Côte de Francs (R$400,00 – World Wine)

Château Lanessan 2009 – Haut-Médoc (R$289,85 – Mistral)

Château Giscours – Margaux (R$725,00 – Cellar)

Château Larrivet Haut-Brion 2008 – Pessac-Léognan (R$385,00 – Cellar)

Clos Fourtet 2010 – Saint-Émilion (R$1.499,00 – Grand Cru)

Château Guiraud 2007 – Sauternes 375ml (R$436,88 – Mistral)

*Texto publicado originalmente na coluna “Vinhos e mais vinhos” no Caderno AG do Jornal A Gazeta (15/07/18).

Publicidade

0 COMENTÁRIOS

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO