Os melhores e mais emocionantes vinhos degustados em 2018!

  • Luiz Cola
  • 18/dez/2018
  • 4 Comentários

Esse é o melhor post do ano! Pelo menos é um dos que mais gosto de fazer… Relembrar os melhores e mais emocionantes vinhos de 2018, um ano que vai deixar muitas saudades vínicas! Como acontece com frequência, 2018 trouxe oportunidades para descobrir coisas novas, provar rótulos há muito desejados e reencontrar vinhos que aprecio bastante. Continuando uma “tradição” iniciada em 2011, publico no blog a lista dos vinhos que mais se destacaram ao longo de 2018, seja pela indubitável qualidade, seja pela emoção (em suas diversas facetas) que eles me proporcionaram.

Como esse ano foi particularmente pródigo em degustações verticais de grandes vinhos, acabei dando um destaque especial para elas (clique nos links das legendas). Nas demais escolhas, sempre corro o risco de cometer alguma injustiça ou omissão de algum rótulo relevante, mas seguindo os mesmos critérios adotados em anos anteriores, espero ter sido capaz de escolher os vinhos mais interessantes para compartilhar com o público do blog Vinhos e mais Vinhos.

O conjunto de vinhos selecionados reúne um pouco mais de 100 garrafas e está disposto em ordem cronológica, conforme foram sendo degustados e publicados no meu Instagram @luizcola ao longo de 2018. Lamentavelmente, vários rótulos (ou safras) não estão mais disponíveis no catálogo das importadoras ou, às vezes, sequer já foram trazidos para o Brasil. Ainda assim, vale a pena conhecê-los para quando surgir alguma oportunidade de prová-los.

Espero que aproveitem bem a lista… Santé!!!

Vertical de Dom Pérignon 1969, 1985, 1990, 1996, 2002 e 2004! Todos incrivelmente deliciosos e complexos, conforme esperado para a idade de cada um… Grande experiência! Para ver mais sobre a vertical, clique no link.

Domaine Grivelet Chambolle-Musigny 1er Cru Les Vignes eu Château Vieilles Vignes 1978! Incroyable, amazing, incrível em qualquer língua… Já é candidato a um dos melhores do ano. Assim como fariam os monges cistercienses, esse é um Borgonha para beber de joelhos!

Soldera Brunello di Montalcino Riserva 2004! Eis aqui um vinho que ficou maior que sua denominação de origem… Soldera é um caso à parte quando pensamos num tinto 100% Sangiovese. Ele não é um Brunello do Montalcino, ele é simplesmente um Soldera! Provavelmente o melhor vinho de toda a Toscana…

Château Lynch Bages 1990! Um dos mais consistentes vinhos de Pauillac. Brilhou nessa mítica safra em Bordeaux e finalmente começou a entregar toda a complexidade e grandeza que se espera dele. Espero poder revisitá-lo dentro de uns 10 anos…

Valentini Trebbiano d’Abruzzo 2011! Que untuosidade maravilhosa… Se o frescor não é o seu forte, ele compensa isso com um caráter muito requintado e sedutor. Um dos melhores brancos da Itália, sem sombra de dúvida!

Jean-François Ganevat Julien en Billat Pinot Noir 2014! Turvo e selvagem no visual, mas com um frescor e uma finesse digna do mais nobre dos vinhos… Mais um daqueles vinhos perigosamente fáceis de beber. Escolha perfeita para celebrar minhas Bodas de Água-marinha (19 anos de casamento)!

Le Soula Blanc 2011! Uma verdadeira miscelânea de castas brancas (35% Sauvignon Blanc, 25% Vermentino, 20% Grenache Blanc, 6% Marsanne-Roussanne, 5% Chardonnay, 5% Macabeu, 4% Malvoisie du Roussillon-Grenache Gris) que resultou num belo caleidoscópio de aromas e sabores… Singelo, fresco e delicioso!

Jacques Selosse Initial Blanc de Blancs NV! Um vinho, três Grands Crus (Avize, Cramant e Oger), uma casta (Chardonnay) de três safras sucessivas… Degolado em janeiro de 2015 e perfeito para ser bebido agora, três anos depois!

Château Musar Rouge 1990! Adoro os vinhos libaneses elaborados pela familia Hochar no Vale Bekaa. Ao longo de quase um século, eles construíram uma fantástica vinícola, que pode se orgulhar de fazer alguns dos melhores vinhos do mundo. Quem diria que eu iria beber mais um deles e dizer sem nenhum receio que ele figura entre os melhores vinhos degustados nos últimos tempos… Inesquecível!

Degustação horizontal de vinhos do Domaine de la Romanée-Conti da safra 2011: Grands-Échézeaux, Richebourg, Romanée-Saint-Vivant e La Tâche! Um privilégio beber quatro dos sete Grands Crus tintos elaborados pelo mais célebre domaine da Borgonha!
Apesar de ainda serem jovens, a safra 2011 comprovou que já está muito acessível, mesmo para vinhos desse quilate. O Grands-Echezeaux brilhou do início ao fim, com uma fruta linda e acidez na medida para equilibrar o conjunto. O Richebourg estava um pouco mais austero, com sous bois pronunciado e uma boca elegante e persistente. O Romanée-Saint-Vivant foi meu predileto, muito rico aromaticamente, dotado de um paladar seivoso e bastante fresco. Elegante e alegre! O La Tâche demorou a se mostrar, bem fechado na primeira hora, revelando timidamente seus encantos. Notas terrosas, um leve traço de couro, seguido de uma estrutura tânica excepcional e fina acidez. Esse deve evoluir muito em uma década ou mais… Uma grande degustação! Para ver mais sobre essa horizontal, clique no link.

Oremus Tokaji Aszú 5 Puttonyos 1999! Esse néctar húngaro nunca me decepciona… Para quem aprecia os grandes vinhos de sobremesa, não há nada melhor, salvo por alguns raros brancos doces da França e Alemanha que podem rivalizar com ele!

Casa da Passarella O Fugitivo Vinhas Centenárias Tinto 2013! Meu destaque entre os quatro tintos degustados ontem. Conseguiu ir além da qualidade absurda de seus pares, oferecendo uma riqueza aromática singular e grande dose de elegância no paladar. Soberbo!

Painel de 1er Cru Classé da margem esquerda de Bordeaux: Haut-Brion 1996, Latour 1989, Margaux 1999, Mouton-Rothschild 1996, Lafite-Rothschild 1998 e Château d’Yquem 1996! A seleção titular de Bordeaux desde 1855… Para ver mais sobre esse painel, clique no link.

Château Mouton-Rothschild 1958! Com desenho de ninguém menos que Salvador Dali, esse Mouton mostra a grande estrutura tânica que fez a fama dos tintos de Pauillac… Vinhos capazes de ultrapassar um século de vida!

Château d’Yquem 1958! A quintessência de Sauternes… 60 anos e ainda com pernas para mais um século!

Vertical histórica com todos os 11 vinhos Pinot Noir do Atelier Tormentas lançados até hoje! Rosa Evanescente 2016, Monte Alegre 2016, Fulvia 2015, Monte Alegre 2015. Piratini 2013, Vinhedo Serena 2013, Fulvia 2013, Monte Alegre 2013, Fulvia 2012, Fulvia 2011 e Fulvia 2009… E o melhor, contando com a presença de Marco Danielle, autor dos vinhos. Inesquecível! Para ver mais sobre essa vertical, clique no link.

Domaine Didier Dagueneau Sancerre Le Mont Damné 2010! Uma obra prima nascida das vinhas de Sauvignon Blanc no vale do Loire… Excepcional!

Domaine Prieuré Roch Nuits-St-Georges 1er Cru 2008! Quem diria que eu veria um NSG com cor de Poulsard do Jura… Um espetáculo em todos os sentidos!

Domaine Trapet Père & Fils Chapelle-Chambertin Grand Cru 2007! Elegante com intensidade, sedoso sem deixar de lado o frescor… Uma bela garrafa para encerrar um final de semana repleto de grandes vinhos e ótimas companhias.

López de Heredia Viña Tondonia em brancos & tintos nas versões Reserva e Gran Reserva! Desses eu nem preciso falar nada…

Mais uma belíssima vertical! Castillo Ygay Gran Reserva Especial 1964, 1975, 1989, 1998 e 2005! 5 décadas de um dos grandes clássicos da Rioja… Para ver mais sobre essa vertical, acesse o link.

Bartolo Mascarello Barolo Riserva Speciale 1964! Apesar de uma certa turbidez, esse barolo estava lindo demais… Um mix de alcatrão e rosas!

La Grapperie L’enchanteresse Red 15/16, 100% Pineau d’Aunis… O grande destaque entre os tintos da Naturebas 2018!

Enderle & Moll Liaison Pinot Noir 2016! Que espetáculo de vinho… Seguramente o melhor Pinot Noir alemão (Baden) que já degustei nos últimos anos! Uma pena que não temos esse por aqui…

Magnífica vertical de Vega Sicilia Reserva Especial (Releases 2000, 2002, 2012, 2015 e 2017): este Vega Sicilia é um vinho que homenageia a tradição. A vinícola resgatou o costume espanhol, muito antigo, de combinar safras para obter um melhor equilíbrio no vinho. Para ver mais sobre essa vertical, clique no link.

Pierre Overnoy Arbois Pupillin Blanc 2009! Sempre é um privilégio degustar essa singela preciosidade nascida nos recantos do Jura… Lindão!

Robert Groffier Père et Fils Bonnes-Mares 1997! Opulento e sedoso, sem deixar de transparecer as sutilezas marcantes de um grande Pinot Noir… Memorável!

Château d’Yquem Sauternes 1990! Esse dispensa apresentações… Cor, aromas e sabores sublimes. A epítome de Sauternes!

Vertical de Clos des Lambrays: 1998, 2003, 2007, 2008, 2009 e 2010! Belíssima seleção desse soberbo Grand Cru de Morey-St-Denis… As safras entregaram um retrato bastante fiel das características dominantes em cada uma delas. 1998 e 2007, anos mais frescos e precoces, foram minhas safras prediletas! Para ver mais sobre essa vertical, clique no link.

Vertical espetacular de vinhos libaneses percorrendo três décadas do Château Musar: Brancos 1986, 1993 e 2008/Tintos 1987, 1998 e 2007… Sublimes!

Vertical histórica de 19 safras (anos pares entre 1976 e 2012) de Vega Sicilia Valbuena 5° ano! Inenarrável…

A “mosca da cabeça branca do Unicórnio”: Pierre Overnoy Rouge 2015! A insustentável leveza da Plousard do Jura levada ao extremo… Delicado e inesquecível como poucos!

Domaine de Comte Georges de Vogue Chambolle-Musigny 2005! Esplêndido exemplar dessa apelação em Côte de Nuits… Um PN refinado e muito elegante no paladar, repleto de aromas clássicos de sous bois, cereja fresca e ervas finas. Excelente do alto de seus 13 anos, mas com fôlego para evoluir ainda mais!

Francesco Rinaldi Barolo 1958! Incrível a longevidade e a soberba qualidade desse vinho… Elegante, complexo e finamente equilibrado. 60 anos dignos de aplausos!

Domaine des Ardoisières Cuvée “Argile” Rouge 2016! Que delícia de tinto da pequenina região francesa de Savoie… O corte de Gamay com a obscura Persan resultou num vinho fresco e cativante, repleto de aromas de bosque e violetas. Membro digno da categoria “perigosamente fácil de beber”!

Vertical de Château Léoville Las Cases 1966, 1989, 1990, 1996, 1998 e 2004! Sou suspeito para falar de meu Bordeaux preferido, mas estavam todos excelentes, cada um a seu tempo e estilo…

Domaine Jean Grivot Vosne-Romanée 2011! Tipicidade pura de PN da Borgonha… Fruta fresca, sous bois e uma elegância incomparável!

Mini-vertical de Clos Rougeard 2007, 2008, 2009 e 2010! Os mais sublimes e sofisticados vinhos elaborados com Cabernet Franc que já tive o prazer de degustar… Elegância, frescor e complexidade na medida exata!

Aliança Garrafeira Particular 1997 em magnum! Os vinhos da Bairrada demandam um certo tempo para se expressar e quando a paciência permite, a espera é plenamente recompensada… Delicioso!

E que venha 2019… Feliz Natal e um Ano Novo repleto de saúde, paz e, é claro, bons vinhos para todos!

Publicidade

4 COMENTÁRIOS

  • Rodrigo Gomes de Sousa - 18 de dezembro de 2018 às 12:04

    Um espetáculo, Luiz Cola. Belíssima seleção! Que privilégio!

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 18 de dezembro de 2018 às 14:07

      Olá Rodrigo,
      Boa tarde!
      Obrigado! Espero que 2019 também seja pródigo em belos vinhos… Para mim e para você!

  • Renzo - 19 de dezembro de 2018 às 08:11

    Impressionante! Grande abraço e feliz 2019.

    • Luiz Cola

      Luiz Cola - 19 de dezembro de 2018 às 08:18

      Valeu Renzo!
      Tudo de bom para você em 2019!
      Abs,
      Luiz Cola

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO